05 abril, 2018

VAMOS FALAR SOBRE | Literatura Nacional #Parte1


Olá! Caros leitores, autores e amigos, o post de hoje é diferente das tradicionais indicações e resenhas. Hoje vou falar da literatura nacional, do preconceito que ela enfrenta diariamente.

Antes de explicar o motivo pelo qual resolvi escrever a respeito deste tema, vou contar um pouco da minha relação e trajetória com os nacionais.

Minha relação com os livros nacionais era muito pequena e tinha muito desconhecimento do tamanho de nossa literatura, mas isso mudou no primeiro mês de 2017, quando tomei conhecimento da saga A Arma Escarlate da autora Renata Ventura, que se tornou um dos meus livros favoritos e descobri tamanho potencial da nossa literatura. Descobri este livro por meio de um canal de Harry Potter do Youtube. Logo depois conheci um Instagram literário e fiquei fascinado com o mundo da literatura brasileira. Antes de tudo isso, eu conhecia e havia lido apenas os famosos ou clássicos do nosso mercado.

Optei por comprar mais um nacional, até então totalmente desconhecido pelo público em geral e coloquei outros vários na lista de desejados. E nesta mesma semana que fiz essa compra, tomei a decisão de começar o meu Instagram literário, o Sábio Leitor, isso em 19 de Maio de 2017, prestes a completar um ano agora em 2018. Fiz com o objetivo de divulgar as obras nacionais e assim permaneço até hoje.

No presente momento eu tenho mais de 50 livros físicos nacionais (na foto estão apenas alguns) e diversos ebooks. Esse montante representa mais da metade do meu acervo de livros. Eles são maioria na minha estante, tenho os estrangeiros também, mas estou dando um espaço maior para os autores brasileiros e não me arrependo disso. E não são somente livros de parcerias, tem muitos que foram comprados e tenho vários que ainda desejo comprar.


Vamos agora focar no mercado editorial de livros brasileiros. Temos hoje um grande números de editoras, muitas voltadas somente para o nosso mercado, e essa extensa gama de casas editoriais apenas ressalta a infinidade de livros e autores nacionais que temos. Vocês leitores sabem como funcionam as publicações? Em sua grande maioria são pagas, o autor desembolsa um grande valor para publicar o seu sonho e não ganha quase nada por isso. Isso soa um tanto estranho, não é? E muitos culpam as editoras, embora algumas não desempenham um trabalho satisfatório, a culpa não é delas. Apenas uma pequena parcela de autores consegue a tão almejada publicação tradicional, onde a editora aposta no talento deste escritor, publicando sem custos e repassando os royalties. E tais livros, em sua grande maioria, ficam com vendas restritas nas plataformas online, poucos ganham um espaço na estante da livraria física e apenas 3 ou 4, ocupam as bancadas principais, as quais tem custo altíssimo para as editoras.

E por que o cenário é dessa forma? Simplesmente porque não vende! Leitores em sua quase totalidade não compra nacionais! Então faço o questionamento, por que vocês leitores não compram e não lêem nacionais?

Os motivos que muitos alegam, foi o que fez eu decidir por essa publicação. Já vi várias pessoas alegando que o nacional é lixo, indo falar isso até para o autor, como pretexto para ganhar um livro, “pois nacional não deve ser comprado”. Tem também aquela frase clichê que todos já ouviram “é tão bom que nem parece nacional”. E ainda outros têm a audácia de pedir e distribuir pdf (apenas lembrando, segundo o Código Penal Brasileiro, pirataria é crime!). Em grupos do facebook, quando se divulga livro brasileiro, vejo diariamente, “só leio estrangeiro” ou “não leio nacional”.

Não consigo entender a falta de interesse e principalmente de respeito por obras nacionais sem nem mesmo conhecer. Podem me dar uma explicação plausível?

E se você leitor, só leu os clássicos e não gosta, dê oportunidade ao contemporâneo. Obras clássicas são muitas vezes cansativas e maçantes, reconheço a importância grandiosa das mesmas, mas normalmente são leituras que não agradam, diferente do livro contemporâneo.

Uma última coisa, livros nacionais são caros sim, mas novamente pela falta de venda necessita de preço maior para manter os custos. Com volume grandes de vendas, as tiragens serão grandes, já causando queda no preço de capa, e entrando mais capital, é possível trabalhar com valores mais flexíveis. Ainda temos o fator Correios, que ajuda a encarecer. 

Meu texto ficou longo, mas para aqueles que leram até aqui, muito obrigado, eu precisava falar tudo isso. E por favor, dêem oportunidade aos nossos autores e para ficar por dentro da nossa literatura, acompanhe sempre nós influenciadores literários.

E logo teremos #Parte2, com o texto escrito pela Aline!
Até mais!
Fernando. 

21 comentários:

  1. Oi, Fernando.

    É fato que nossos autores nacionais não têm muito reconhecimento e sofrem para conseguir pelo menos metade disso.

    Até o ano passado, eu lia e comprei muitos livros nacionais, até que naturalmente, fui deixando eles um pouco de lado. Eu gosto de ler livros nacionais.

    E ressalto que, há muitos livros nacionais que são melhores do que livros estrangeiros.

    ResponderExcluir
  2. Matéria fantástica! Sempre tive medo de lançar um livro justamente pelo preconceito com obras nacionais. É uma barreira para se quebrar a cada dia.

    ResponderExcluir
  3. Jonas Zair Vendrame5 de abril de 2018 09:20

    Como autor brasileiro, sou obrigado a bater palmas de pé após ler esse texto.

    você disse tudo com perfeição sobre a nossa realidade! Obrigado por isso!

    ResponderExcluir
  4. Muito triste essa desvalorização 😭😭😭 mas são pessoas como você que nos motivam a seguir em frente ❤️

    ResponderExcluir
  5. Que post mais perfeito! Como autora posso afirmar que você descreveu bem o cenário atual de publicação de livros nacionais, realmente não é fácil! Mas de pouquinho em pouquinho conquistamos os leitores - e somos conquistados pelos incríveis trabalhos dos nossos colegas autores! < 3

    ResponderExcluir
  6. O seu texto retrata muito bem a realidade dos escritores no Brasil, Fernando. Fico feliz pelo seu engajamento e sensibilidade pela causa. Eu amo escrever e, lendo seu texto, a motivação para a arte só cresce, pois tem leitores como você iluminando obras nacionais com sua imaginação e carinho. Obrigado pelo texto e vou aguardar a parte 2 com a Aline!

    ResponderExcluir
  7. Oiê, Fé!
    Ah, que post atual e relevante!!
    Aproveito o espaço para falar um pouco sobre isso.
    Acho que o grande problema começa na educação do nosso país. É fato mais que conhecido que a minoria dos brasileiros são leitores ativos, e isso ocorre pela falta de incentivo em casa e na escola. Temos também o ponto que você levantou dos clássicos. Quando a escola obriga os alunos a consumirem esse tipo de literatura, o jovem acaba, inconscientemente, tomando pra si que a leitura de nacional é algo chato, maçante e de carácter obrigatório. Confesso que fui um desses jovens. Sempre li muito, uma vez que eu sempre tive um incentivo muito grande em casa. mas a escola me fez acreditar que ler nacional é um saco! Confesso, também, que só fui conhecer editoras prestadoras de serviços, as que apostam nos nacionais (e aqui cabe muito bem ressaltar que não é uma questão de apoio por acreditar no potencial, unicamente. É porque é lucrativo, é o público que eles conseguem alcançar. O discurso de apoio incondicional não me desce! Pode até ser que elas acreditem e tudo mais, mas não é o que move a editora, não é o motivo principal que as fazem estar lá. Digo isso pq eu já abri uma editora com esse fim, e não há a mínima possibilidade de se manter no mercado com esse tipo de ideologia. Veja, não estou criticando o fato das editoras cobrarem pelas publicações, é o negócio delas e os considero muito importantes para o mercado editorial! Mas não me venha falar que seu grande objetivo é ajudar a literatura nacional, elas tão lá pra fazer dinheiro!)depois que escrevi meu primeiro livro. Isso pq, até então, meu contato com livros vinha das livrarias! E como vc bem ponderou, o valor cobrado para expor um livro na vitrine de uma livraria física de grande movimento é impraticável para as editoras pequenas.
    Então acaba sendo um ciclo sem fim: a minoria dos brasileiros consomem livros, dentro dessa minoria, a minoria tem conhecimento dos livros nacionais contemporâneos, pois os canais de divulgação das grandes editoras não os alcançam, as editoras pequenas fazem dinheiro em cima do escritor, não do leitor, então também não vale muito a pena tentar mudar esse cenário e apostar alto em divulgação pra tentar vender mais... Acaba que nada muda! E vale ressaltar também, que o escritor nacional, muitas vezes não ajuda! Cansei de pegar livro muito mal produzido, tanto independe quanto em editoras pequenas. O escritor independe, muitas vezes, na ansiedade de publicar, pula etapas. As editoras pequenas, cientes de que alcançam apenas uma pequena parte do mercado, acabam optando por baratear a produção, visando lucro, contratam profissionais com pouquíssima experiência e acabam produzindo livros sem qualidade. Conto nos dedos de uma mão as editoras que eu conheço que priorizam qualidade. Aí me diga, a culpa é do leitor? Eles já são minoria, aí, quando resolvem apostar em um nacional, se deparam com um livro com histórias cheias de furos, textos mal escritos, repletos de erros ortográficos... Muitas vezes, eles até insistem, e acabam se deparando com a mesma situação. Ganhar dinheiro nesse país não é fácil, o leitor vai ficar gastando o dele com produto sem qualidade? Veja bem, não estou dizendo que literatura nacional contemporânea não tem qualidade, tenho vários colegas que escrevem muito e produzem livros cheios de qualidade. Porém, a cada dez que leio, consigo indicar dois. Pra piorar tudo, tem a questão da parte da blogosfera que sai indicando tudo quanto é livro só pela parceria. Aí o leitor pensar: bom, se esse livro em mãos é considerado bom pelos caras que estão totalmente envolvidos com isso, imagine os ruins.. aí o cara desiste mesmo e vai ler internacional, porque as grandes editoras, sim, priorizam qualidade.
    Continua...

    ResponderExcluir

  8. ... Complicado, né? Meio que sem saída...
    Acho que isso vai mudar quando a educação mudar... e vejo, também, nos e-books, um potencial muito grande. As próximas gerações não terão esse preconceito com livro digital, porque já nasceram totalmente imersas nesse avanço tecnológico. Como o e-book é bem baratinho de produzir, talvez as pequenas editoras passem a priorizar a qualidade, mudando o cenário, passando mais credibilidade para o leitor. Fora que a estante do e-book é alcançável para todos.
    Seguimos acreditando, né, não?!
    Beijo grande!!!

    ResponderExcluir
  9. Esse texto é um tapa na cara dos leitores que só leem livros estrangeiros ou os que dizem que nacionais são ruins, que não prestam ou coisa do tipo. É por isso que muito autor está em anonimato, porque tem medo de laniçar seu livro e ninguÉmerson se interessar em comprá-lo e muitas das vezes perdemos um potencial best seller nacional. O país já possui uma grande população que não tem a leitura como hábito, o que é bem ruim e os que leem, nem olham para autores nacionais, uma vergonha mesmo. Seu texto é magnífico, Fernando. Disse toda a realidade dos leitores do nosso país, é exatamente tudo isso que acontece. Espero que um dia essa realidade mude pra melhor!

    ResponderExcluir
  10. Texto perfeito! Foi bom para abrir meus olhos e de várias pessoas também. Em todos os meios temos esse mal hábito de valorizar tudo que vem de fora e desvalorizar e ter muito preconceito com tudo que nosso país produz. Mal sabemos o potencial que os escritores nacionais tem. Parabéns pelo texto.

    ResponderExcluir
  11. Fernando do céu, que texto maravilhoso. Eu não sou autora, mas conheço várias autoras que passam por isso que você descreveu, e fico bem triste quando elas não conseguem agarrar uma editora e muitas até lançam de forma independente e mesmo assim ainda custa caro para elas, eu sempre li nacional, comecei a ler histórias no wattpad e conheci muitas autoras que começaram lá e conseguiram alcançar vôo para o físico e torço sempre tanto por elas.ainda pretendo um dia comprar o livros de cada uma dessas minhas amigas autoras, pois é assim que posso apoiar elas e mostrar para as pessoas que não é só os estrangeiros que sabem e escrevem ótimas histórias . Adoreeeei o post e esperando para ver a parte 2 . Bjs.

    ResponderExcluir
  12. Oi Fernando,
    Como você descreveu, infelizmente essa é a realidade do Mercado Editorial Brasileiro. Não vejo diferença entre um livro nacional bem feito, e um estrangeiro. Na verdade, já li livros nacionais melhores que os de fora. Fico triste quando as pessoas falam mal de um nacional, generalizando. Também tem a questão da divulgação. Muita gente deixa de ler nacionais por não ser bem conhecido, preferindo os famosos por saberem que tal obra é boa. Vamos torcer pra que as editoras (não todas) trabalhem mais na divulgação e qualidade, e menos nos lucros.

    Adorei seu texto.
    Laura.
    http://literaryheartt.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Concordo com absolutamente tudo o que você escreveu. Como autora, uma das coisas que mais observo é exatamente este preconceito que permeia nosso trabalho, que não é exclusivo de editoras - infelizmente! - e pode ser percebido também por parte de leitores. Muitas das vezes, quando divulgo meus trabalhos nas redes sociais, principalmente grupos literários, sou ignorada. As pessoas simplesmente não se arriscam em dar uma chance ao escritor nacional, não se empenham em ao menos tentar verificar o teor de suas obras e se puderem, fingem que ele nem está ali.

    Outra questão importante e que você menciona também é a "gratuidade". É muito triste para um autor perceber que a grande maioria das aproximações de pessoas interessadas em seu trabalho, acontece em busca de livros gratuitos que quando cedidos, acabam esquecidos, não são lidos (já aconteceu comigo e soa como se eu fosse só mais um volume na estante de alguém). Será que não vale a pena pagar cinco ou seis reais (no caso de ebooks, por exemplo) por uma obra sobre a qual o autor dedicou-se por meses, pesquisou e se empenhou em fazer o melhor?

    Não sei precisar o que falta, mas dentre inúmeras coisas, acredito que a boa vontade de dar uma chance ao novo seja uma destas faltas. Tem muita gente boa nesse meio, porém os leitores se mantém em fórmulas antigas. Já me deparei por diversas vezes com pessoas que me acompanham há mais de ano e acreditavam que eu só escrevo terror. Eu canso de divulgar minhas sinopses com fotos das capas e estas pessoas veem, curtem a publicação, mas fica claro que não leram a legenda. Se as pessoas se derem ao trabalho de ler estas sinopses, verão que meus romances até tem algum mistério, mas não tem nada de terror. Me pergunto: será que não leu a legenda daquela foto que curtiu? Somos só números? É aquilo de curtir para se destacar, para se transformar em um link?

    Infelizmente as redes sociais, que deveriam proporcionar a interação, acabam por fomentar estas curtidas gratuitas (sem noção do conteúdo real), as inúmeras solicitações de exemplares grátis ("mas fulano envia livros grátis para obter divulgação") e uma série de outros vícios que, uma vez estabelecidos, dificilmente serão deixados de lado.

    Adorei teu texto e como autora eu não poderia deixar de comentar. Parabéns!
    Peço autorização para compartilhar em minha página.

    ResponderExcluir
  14. Eu conheci alguns autores nacionais do ano passado para cá lendo muitas resenhas nos blogs e instagrans literários. Tem muitos livros nacionais que estao na minha lista para comprar e os que li até agora, gostei bastante. É uma pena que muitas pessoas não dão oportunidade para os livros nacionais, isso acontece até com a música, muitos só escutam os gringos, só dão valor para gringos. Espero que isso mude e que os autores brasileiros conquistem seu espaço e enriquecam ainda mais nossa literatura!!

    ResponderExcluir
  15. Olá Fernando ;)
    Adorei seu post, e concordo demais! Eu era assim há uns anos, tinha um pré-conceito com livros nacionais. Hoje vejo que há vários livros ótimos no mundo, tanto nacionais quanto internacionais, que só precisam de uma chance do leitor.
    Tento sempre ler autores nacionais não tão conhecidos, e já me surpreendi bastante com alguns que li.
    Bem pertinente seu post, adorei tudo!
    Abç

    ResponderExcluir
  16. Olá Fernando,
    Gostei muito do seu post.
    Vou confessar que quando comecei a ler livros pq eu queria e não pq era obrigada a ler para um trabalho da escola, eu tinha um certo preconceito com livros nacionais. Alguns anos atras ganhei em um sorteio de um blog um livro nacional e depois de ler eu percebi o quanto eu estava perdendo por não dar atenção a eles. Hoje eu tenho varias livros nacionais, eu geralmente leio em ebook e se eu gostar bastante da estória eu compro o fisico.

    ResponderExcluir
  17. Olá Fernando.
    Vamos lá: minha experiência com nacionais começou em uma bienal a uns 6 anos, na época alguns romances de autores nacionais estavam no auge e claro que quando soube que esses escritores estariam na bienal eu comprei alguns livros, não me arrependi nenhum pouco, e até hoje sou encantada com eles, a única coisa ruim disso tudo é não poder comprar todos os lançamentos, rsrs.
    Não entendo esse preconceito, eu não diferencio histórias pelo local ou por quem escreveu, diferencio pelas que curto e as que não curto, e ainda assim tento dar uma chance para as do segundo item, principalmente se for nacional, e mesmo que um livro não seja de meu interesse eu o indico, porque sério, você não tem noção de como é maravilhoso para mim ver os livros nacionais se destacando!
    E sabe o que é melhor disso tudo? Conheci tantos autores que além de terem histórias lindas são um amor, inclusive acompanho muitos pelas redes sociais e adoro seus trabalhos! Se os leitores soubessem o quanto eles são acessíveis e se importam de verdade com nossa opinião (claro, com raras exceções) sem dúvidas iriam comprar e ler mais nacionais!
    Amei o post!
    Beijos

    ResponderExcluir
  18. Eu já fui uma leitora que tinha preconceito com livros nacionais, mas por ter tido experiências realmente ruins. A começar por alguns clássicos que, sem dúvidas, me afastaram dos livros tupiniquins por muito tempo, mas depois, resolvi arriscar mais uma vez... e minha aventura não foi das melhores. Acabei me voltando mais para os livros de literatura estrangeira, sim, mas depois que eu criei o Pausa, tive a oportunidade de ter acesso a mais autores, gêneros, narrativas e enredos, e hoje, sou uma amante e defensora dos nacionais.
    Infelizmente, esse preconceito está enraizado em nós, mas não podemos culpar os leitores de hoje, não. Infelizmente, como vc mesmo disse, livros nacionais não vendem... e acho que um dos motivos principais é a falta de divulgação. É claro que as editoras que publicam livros da gringa têm mais capital para investir em propagandas e afins, e é por isso que a visibilidade dos livros estrangeiros é maior, consequentemente, as vendas também; mas vejo que, a cada dia, nossa literatura tem ganhado mais espaço, e sem dúvidas, grande parte desse crescimento se deve ao engajamento de pessoas como vc (e eu!) que deram uma chance a eles e hoje saem disseminando o amor pelos livros nacionais por tudo quanto é canto que em que vamos!
    A literatura nacional ainda tem um longo caminho pela frente, mas ela tem percorrido com garra e sucesso, sem dúvidas. Em breve, ela estará no mesmo patamar dos gringos, quiçá acima deles!
    Parabéns pelo post e pela abordagem franca e direta do assunto. Quanto mais falarmos sobre, mais notoriedade a literatura brasileira terá.

    Beijocas,
    Fabi Carvalhais
    pausaparapitacos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  19. Puxa, o texto ficou longo, porém muito preciso. Essa desvalorização dos autores nacionais ainda é grande, mas creio que ja foi pior. Leio tantos livros nacionais tão bons que deveriam ser lidos em outros paìses também e não apenas os autores internacionais fazendo tamanho sucesso com seus bestsellers aqui. Fico feliz com a qualidade e capacidade desses escritores e triste pelo esquecimento desses talentos e a exaltação do que vem de fora.

    ResponderExcluir
  20. Olá <3
    Adorei seu texto. É desanimador ser escritor no Brasil, porque o próprio brasileiro olha para nossa literatura e enxerga apenas o que quer, sendo que temos histórias maravilhosas, para todos os gostos, que merecem ser mostradas para o mundo.
    Espero que um dia essa realidade mude, porque a desvalorização com a nossa literatura é enorme, é preciso parar com isso, o mundo literário é mais do que rótulos.
    Adorei, beijos <3

    ResponderExcluir
  21. Boa noite Fernando
    Esse seu texto deveria ser lido por todos os autores, muito legal saber como você entrou nos nacionais, eu tenho muito poucos mas depois de ler isso vou dar preferencia a nossa literatura

    ResponderExcluir