28 maio, 2019

ENTREVISTA COM AUTORES #51 | Autora Susan Cruz


1 - Como você percebeu que queria ser escritor(a)?
Fui uma criança leitora. Minha mãe sempre me incentivou a ler, eu tinha uma cota mensal de livros, na época o círculo do livro era uma excelente opção, vinha um representante em casa com um catálogo a gente escolhia e recebia no mês seguinte. Eu lia muito. O amor pela escrita veio junto com a literatura. E mais tarde se refletiu na escolha da minha profissão: o jornalismo. A escrita sempre esteve presente na minha vida, mas foi à partir de 2016 que comecei a me dedicar somente a literatura e escrevi meu primeiro livro, o Post Mortem.

2 - Tem algum personagem favorito? Em modo geral ou do seu(s) livro(s)? Se sim, por quê? O que ele significa para você?
Pergunta difícil...rs. Eu tenho um apreço especial pela Criatura do Frankenstein de Mary Shelley. Acho que todos os caminhos do horror podem, de um jeito ou de outro, serem rastreados até o início da literatura gótica, o significado dessa obra é portanto, imensurável. O fascínio que essa personagem exerce em mim está associado ao legado das mulheres no horror.

3 - Como foi para você, entrar no mundo literário?
Eu escrevo porque está aqui dentro e, inevitavelmente, precisa sair. Quando o meu trabalho pode ser significativo de alguma forma para alguém, para um contexto político-social e principalmente reivindicando para as mulheres o corpo e a voz através da literatura de horror, nas suas mais variadas formas, penso que ter a oportunidade de escrever está além do que eu jamais imaginei. Embora eu tenha a consciência de que o horror como gênero literário é libertador para nós, mulheres. Nesse sentido, acho que entrar no mundo literário foi uma consequência natural do que eu sou como mulher e do que eu posso externar através da escrita. Agora, se falarmos no sentido comercial inerente a literatura, não só foi como continua difícil, não é novidade que o mercado passa por uma longa crise. Além disso, o autor nacional tem muitas dificuldades para conseguir se lançar. Como gosto de elencar mais os pontos positivos do que negativos, acho que posso dizer que é um período em que o mundo literário conta com boas ferramentas de autopublicação, muitos canais de divulgação e  oportunidades de financiamentos coletivos, por exemplo. Quero acreditar que a transformação que o universo literário vive, irá render novas e melhores formas de se pensar a literatura no futuro.


4 - Você faz muitas pesquisas antes de escrever uma história?
Faço! Pesquiso absolutamente tudo que você possa imaginar. Leio desde uma tese até bula de remédio. E isso não se restringe só ao que eu leio, mas também em arte, filmes, séries e música.

5 - Existem muitas cobranças por parte de seus leitores?
Não. Quando acontece de alguém me dar um feedback de algo que eu escrevi eu fico muito feliz. E o que já aconteceu nesse sentido foi as pessoas perguntarem no que eu estou trabalhando e se vou lançar mais alguma coisa em breve, mas sem nenhum tipo de cobrança. 

6 - Fale um pouco sobre sua forma de criação.. tem alguma mania na hora de escrever?
Tenho muitas anotações em blocos e cadernetas. Pastas salvas com conteúdos correlatos, pesquisas e imagens que me inspiram. Escrevo normalmente com música e portanto, a casa pode estar caindo que eu não perco o foco. Também tenho a habilidade de escrever coisas tenebrosas e fazer atividades paralelas, por exemplo, descrever uma possessão ou entrevistar um delegado pelo telefone sobre um crime hediondo (no caso do jornalismo) e ao mesmo tempo amassar uma banana para o meu filho.  Acordo tarde e por isso, normalmente escrevo de noite. Meu prêmio é poder escrever quando estou sozinha.

7 - Quais são seus projetos para um futuro próximo?
Tenho um livro infantil de horror que quero muito publicar ainda esse ano e estou terminado um romance antropofágico que é diferente de tudo que eu já escrevi. Escrevo minhas poesias de horror com certa frequência e acho que seria maravilhoso poder reuni-las em um livro.
Quem quiser conhecer um pouco mais do meu trabalho: www.susancruz.wordpress.com

Gostaria de deixar algum recado para os leitores do Lost Words, e para seus futuros leitores?
Muito obrigada pela oportunidade e apoio a literatura nacional. Para quem ainda não conhece o meu trabalho, dê uma chance para nós!

Sobra a Autora:

Susan Cruz é uma escritora e jornalista paranaense. Nascida em Curitiba em 25 de março de 1978. Atuou com correspondente do Portal Terra de Notícias por mais dez anos, além de trabalhos em outros veículos de comunicação. A partir de 2016 passou a se dedicar exclusivamente a escrita. Autora do romance gótico de horror, Post Mortem, disponível em ebook na Amazon. Também participou das antologias "King'Poe'Lovecraft - do Terror ao Horror", com o conto Tique-Taque e "Contos de um Natal sem Luz", com o conto O Pinheirinho, ambas organizadas pela escritora Rô Mierling (Editora Illuminare).


Sobre sua Obra:

Sinopse: Post Mortem é um romance gótico de horror que se passa na Londres da Era Vitoriana. Cecília Argos tem um hábito mórbido de colecionar retratos de pessoas mortas. As imagens sinistras combinadas ao clima de luto que sua família vive constantemente, evidenciam como a sociedade da época lidava com a morte. A atmosfera lúgubre das mansões, os vestidos pretos, os cemitérios encobertos pela neblina e as misteriosas assombrações criam um panorama complexo e envolvente que revelam através das camadas mais sombrias da mente seus piores pesadelos.

Aonde Comprar: Amazon 

Beijos!

8 comentários:

  1. É muito bom poder ver que o gosto pela leitura desde nova,fez a autora despertar o interesse pela escrita, achei bem bacana suas inspirações e o modo que escreve, música sempre nos ajuda a se concentrar em algo. O livro também me despertou curiosidade, pois adoro um ambiente dark e a trama aborda um tema que muitos não gostam de falar.

    ResponderExcluir
  2. Eu adoro essa coluna! Essa oportunidade que nós leitores temos de conhecer um pouco sobre os autores nossos, prata da casa mesmo! Ainda não conheço as letras da autora, mas esse jeito gótico de desenhar seus personagens e cenário, me agrada muito!
    Ainda mais quando tudo isso é apresentado como terror/horror e afins!rs(adoro)
    Procurarei pela obra!
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Tão lindo histórias de autores que cresceram lendo, que tiveram esse inventivo e amor desde cedo. É uma graça. Achei interessante falar do Frankenstein como um personagem favorito, ainda mais pela história de vir de uma autora, tempos mais antigos e tal. Legal isso. A pesquisa bem vasta, até bula de remédio, haha xD
    Não sou lá muito fã de horror e terror e coisas assim, mas é um assunto que muita gente gosta de ler e ver e é sempre bom conhecer coisas novas. Sucesso pra autora!

    ResponderExcluir
  4. Adorei conhecer mais sobre a autora.
    Que legal que ela sempre foi incentivada. Ainda não li o livro dela, mas achei interessante, o que eu gostei foi de saber do futuro projeto dela.
    Desejo muito sucesso na sua carreira como autora.

    ResponderExcluir
  5. Adorando essa coluna! Sempre bom conhecer autores nacionais, especialmente os que as vezes não tem tanta divulgação por parte dos igs literários, blogs e editoras de maior expressão.
    Gosto de conhecer o processo de criação de cada um.

    ResponderExcluir
  6. Interessante a entrevista é tão lindo quando se é incentivado desde pequeno a ler, comigo não foi assim infelizmente, pois nem livros tínhamos. Gostei de saber sobre a autora e seus planos futuros, achei curioso um livro com poesias de horror, espero que ela consiga publicá-lo.

    ResponderExcluir
  7. Oi, Aline!!
    Gostei muito de conhecer um pouco sobre a autora Susan Cruz, e sou apaixonada por histórias de terror dai que Post Mortem já chamou minha atenção.
    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Não conhecia essa autora, muito bom saber que temos autores incríveis no Brasil, já vou garantir meu livro na Amazon. E ansiosa para ler o livro infantil de terror, espero que ela lance logo. Quero resenha, Line :D

    ResponderExcluir

Copyright © 2019 | Design e Código: Sanyt Design | Uso pessoal • voltar ao topo