RESENHA | Mentiras como o amor - Louisa Reid

by - terça-feira, agosto 04, 2020


Título: Mentiras como o amor
Autor(a): Louisa Reid
Editora: Novo Conceito
Páginas: 432
Gênero: Drama / Literatura Estrangeira / Romance
Ano: 2017


"Estou escrevendo isso para que vocês saibam tudo sobre mim e sobre minha mãe, e também sobre o que é ser uma adolescente e a dificuldade que é viver assim. Deprimida. Não é todo mundo que entende. Por favor, deixem-nos mensagens para nos ajudar a enfrentar esse momento. Obrigada e até mais! Audrey."

Em Mentiras Como o Amor acompanhamos a história de Audrey, uma garota de 16 anos que mora com sua mãe Lorraine e seu irmão Peter de 5 anos, mas Audrey tem depressão, e isso está acabando cada vez mais com ela, tem 'alucinações' com algo que ela chama de A Coisa, que faz cortes em seu pulso e a faz ter pesadelos horríveis.
A antiga casa de Audrey pegou fogo então eles estão se mudando para outro lugar, e vão morar na Granja, um lugar sombrio, com um córrego em volta da casa, e uma floresta. Perto dali mora Léo e Sue, que ficam felizes com a chegada dos novos vizinhos, afinal Léo também passou/passa por momentos difíceis e está na hora de fazer amigos de verdade.

"Desci as escadas e enfileirei meus comprimidos no balcão. Um para que eu não me sentisse deprimida. Um para que eu parasse de sentir enjoo. Um para que eu dormisse o dia inteiro. Um para me impedir de abrir cortes nos braços, pernas e coxas. Havia comprimidos para tudo. Para tudo, exceto um comprimido para que eu pudesse ser livre."

Mas logo Léo vai perceber que Audrey é mais na dela, não gosta de conversar e acredita que fica melhor sozinha com seu irmão, mas ele é persistente e tenta ao máximo se aproximar dela.
Logo ele conquista a confiança de Peter falando de pássaros e animais que podem ser encontrados na floresta, o que obriga Audrey a se aproximar também, afinal ela sempre quer ver as pessoas ao seu redor bem e felizes, porque ela acha que ninguém suportaria a verdadeira Audrey, a Audrey que tem medo da Coisa, e que vai passar por momentos difíceis, aonde o leitor também vai sentir na pele o que doenças mentais são capazes de fazer.


Que livro destruidor, Louisa Reid veio mostrar que realmente conto de fadas não existem, e fez uma história que pode ser mais real do que imaginamos.
Eu se senti apreensiva desde o começo até o fim, é um livro em que o leitor se coloca no papel da protagonista, e sente junto com ela, muitas vezes me via torcendo para ela reagir de alguma forma.
Audrey se faz forte pelo seu irmão, que é pequeno e muitas vezes é como uma mãe pra ele, dá banho, comida, ajuda na lição de casa, leva pra escola, e tantas outras coisas. Quem já teve depressão sabe o quanto é difícil rebater a essa doença, e Audrey fica a maior parte do tempo entupida de remédios.

Peter foi a parte fofa no livro, acho que a autora colocou ele para dar uma equilibrada, a inocência de uma criança, que não entende o que está acontecendo, mas está ali para o que der e vier pela sua irmã, eu me encantei por ele desde a primeira vez que ele apareceu.

"Eu acho que você é um doce. Isso é tudo. E todo mundo tem sua própria dor. Você não precisa ter vergonha disso. E, se você está doente, então pode melhorar. É isso que você precisa ter em mente."

O final é mais um de reviravoltas, aonde o leitor fica intrigado e com raiva ao mesmo tempo.

A edição está linda, a capa tem tudo a ver com o livro, apesar da quantidade de páginas a leitura flui de forma leve por questão da fonte usada.

Referente a narração teve algo que eu não gostei, temos capítulos intercalados entre Audrey e Léo, os da Audrey são em primeira pessoa, mas os do Léo são em terceira, e isso no começo foi ruim, porque estava acostumada com um tipo de narração e quando era o Léo narrando ia para terceira pessoa. Isso fez eu não dar um favorito para o livro.

Espero que vocês tenham gostado da resenha, ficou enorme mas não tem palavras justas pra descrever esse livro, leia, e se surpreendam como eu me surpreendi.
Logo vou ler Corações Feridos da mesma autora e conto pra vocês!
Beijos!

Você também pode gostar desses posts:

3 comentários

  1. Oi, Aline! Primeiramente parabéns pela resenha, ficou incrível e para mim não ficou enorme, queria até ler mais. Eu já li alguns livros de Louisa Reid e sua escrita me agrada bastante. Este livro aí eu não li, mas certamente me agradará. Sei bem como é tenso livros que abordem a depressão, pois já passei por isso e, não é nada agradavél esta situação, principalmente para quem convive com o depressivo(a). Já anotei a dica para o ler futuramente. A capa está belíssima. Abraço!



    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Oi, tudo bem? Livros de ficção que ficam em dramas pessoais e comportamentos me atraem. Parece que esse é muito bom, embora eu tenha ficado com uma sensação de que a doença foi só umchamariz para o romance água com açúcar de amor difícil de se corresponder. Se o foco for mesmo as relações pessoais em meio à doença, parece um bom livro.

    Um abraço, querida!

    ResponderExcluir
  3. Eu admito que ainda não conheço as letras da autora,mas fiquei totalmente tocada com essa resenha de um livor que eu não conhecia.
    Lidar com depressão não é algo fácil de jeito nenhum e pelo que li acima, as dores da personagem são sentidas demais, tanto que sua resenha tem muito sentimento.
    A capa é linda demais e com certeza, já é um livro que preciso ter em mãos, mesmo sabendo que também irei me emocionar e sentir!!!
    Beijo

    Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na Flor

    ResponderExcluir