11 março, 2018

ENTREVISTA #15 | Autora Fabiane Zambelli


1 - Como você percebeu que queria ser escritora?
Eu sempre gostei de escrever, desde pequena eu inventava histórias e mesmo antes de aprender a escrever, eu pedia para algum adulto redigir as minhas “criações”. Portanto, a minha motivação veio desde pequena, pois quando minha mãe lia algum livro ou até mesmo história em quadrinhos para mim, eu queria poder criar algo tão bom quanto aquilo, eu queria que lessem uma historinha criada por mim também.
Por isso, não sei ao certo como eu percebi que eu queria ser escritora... eu sempre gostei de escrever e criar histórias desde pequena, então, acho que meus pais perceberam a minha vocação antes de mim. hehehe...
E até hoje as minhas ideias surgem geralmente de sonhos, porém, confesso que muitas vezes acabo visualizando um tema do nada, sentada no metro, no meio de uma aula, no trabalho, conversando com os amigos, assistindo a um filme, lendo um livro... Elas simplesmente surgem, não tem exatamente uma preparação para isso.


2 - De onde vêm os seus personagens? São inspirados em pessoas reais?
No livro, meus personagens não são exatamente convencionais...
A garota principal, Mariane, é uma mulher acima do peso, corpo curvilíneo, divertida, alegre, amorosa, um tanto louquinha, de cabelos e olhos castanhos, além de uma criatividade surpreendente. Ao redor dela há muito mais mistério e suspense do que deveria ter para uma pessoa que considerava sua vida normal demais.
Andrey é um personagem cheio de altos e baixos, há momentos em que é extremamente confiante e até arrogante, em outros, um garoto confuso e com medo de estragar tudo. Ele possui um caráter surpreendentemente nobre - apesar de rebelde - e bem independente. O maior motivo de suas constantes mudanças de humor é Mariane, a qual mexe com ele de uma forma difícil de se explicar, já que os sentimentos de ambos são pautados em cima de uma conexão surreal.
Também há o Matheus, um garoto estourado e super protetor; há a Karen, uma amiga totalmente fora da casinha; Giulian, o rei Giant, o qual possui um temperamento complicado e totalmente sanguinário... Enfim, são tantos personagens com características tão diferentes, que acredito que ao menos um deles vá agradar aos leitores.
Todos os personagens que coloquei no livro (não citei todos aqui), estão na obra por um motivo, nenhum apareceu por mero capricho. Portanto, o desenvolvimento deles foi algo especial para mim, pois eu precisava dar uma razão e um objetivo para cada um deles, não deixar pontas soltas, torná-los convincentes e reais para meus leitores.
E para isso, admito que usei conhecidos meus como base para esses personagens. Eu analisava o cotidiano das pessoas ao meu redor (próximas ou não) e anotava algumas ideias. Ás vezes, quando chegava em um obstáculo e não sabia ao certo o que colocar como ação do personagem, eu parava para analisar o perfil de amigos e familiares parecidos com ele, imaginava como cada um reagiria naquela situação e a atitude que considerasse que melhor se enquadrava para a cena, eu colocava no papel.
É justamente por isso que eu não posso dizer que usei uma única pessoa como base para um personagem, na verdade, cada personagem é uma coletânea do melhor e do pior de várias pessoas! Talvez essa técnica que usei, os tenha tonado tão empáticos para a maioria dos meus leitores...

3 - No início, que tipo de escritor/livro te influenciou? E agora?
Bom... Como boa bibliófila que sou, leio até demais (mentira! leitura nunca é demais!).
E como sou bem eclética para escolher meus gêneros literários, acabo lendo de tudo. Por isso, admito que tive muitos autores como referência, fossem eles nacionais ou internacionais.
Existem detalhes da narrativa em que busquei uma alusão a forma de descrição de Stephen King; outras fui um pouco mais atrás no tempo e busquei por conselhos de J.R.R. Tolkien e C.S. Lewis; também me inspirei em J.K. Rowling e Philip Pullman; os autores Christopher Paolini, Kiera Cass e Rick Riordan também me ajudaram muito.
Além disso, usei como norte dentro da literatura brasileira o Pedro Bandeira, Ziraldo, Eduardo Spohr, Raphael Draccon, André Vianco, Denise Flaiban, Ana Macedo, Larissa Siriani, Jairo Sarfati, Dáfne Freitas, Nicolas Catalano... Entre outras dezenas de nomes que JURO são incríveis!
E sinceramente? Acredito que os escritores que me influenciavam, continuam me influenciando... E os que "descobri" e cuja escrita me influencia hoje, acaba entrando para a minha lista de "estudos" para ser uma boa escritora hehehehe...

4 - Qual de seus personagens é seu favorito? Por que? O que ele significa para você?
Bom... Como eu mencionei antes, os meus personagens não são exatamente convencionais... Cada um possui um lugar especial no meu coração, então, não consigo escolher um predileto para ser sincera... São tão diferentes uns dos outros que se tornaram únicos para mim.

5 - Qual a sensação que você tem ao perceber que pessoas que você nem conhece gostam e admiram seu trabalho?
Não sei explicar... É uma sensação indescritível!
Ser escritora publicada é algo que venho lutando para me tornar há anos... Então, perceber algo assim, torna tudo ainda mais real e sureal ao mesmo tempo! Nunca parei para imaginar como seria realmente, eu apenas queria dividir os meus mundos, vê-los concretizados e tomando forma na mente de outras pessoas, ou seja, fora da minha própria cabeça.
Por isso, não dá para explicar como eu me sinto. É incrível demais!

6 - Quais são seus projetos para um futuro próximo? Pretende lançar mais livros? Se sim, fale um pouco sobre sua próxima obra.
Então...
Conto de Dragões é o meu primeiro livro publicado, contudo, admito que tenho muitos outros na gaveta!
Cada obra possui a sua singularidade, no meu arquivo tem um pouco de tudo, há romance, aventura, suspense, terror, hot-lit,... Enfim...
Como eu leio muitos gêneros, acabo escrevendo estilos diferentes também, mas confesso que tenho uma queda tremenda por tramas fantásticas!
Eu tenho algumas "cartas na manga", ou seja, obras que pretendo alavancar em breve. Não quero falar muito delas, porém, posso dizer que os leitores podem esperar por livros com temas mais pesados, sombrios e/ou mais românticos, todos com o sobrenatural costurado na trama! Além disso, também podem acabar encontrando, quem sabe, um outro livro dentro do universo de Conto de Dragões... ;)

Sobre a Autora: 

Nasceu em Jundiaí, interior de São Paulo. Desde pequena era fascinada pela literatura, obrigava sua mãe a devorar livros e mais livros para que pudesse absorver as histórias ali contadas. E infernizava a vida de qualquer parente ao pedir-lhes para escrever as historinhas que narrava. E foi durante o curso de Jornalismo que a sua mente saiu do controle e os mundos explodiram, dando vida a 17 obras ainda não publicadas. Hoje é assessora, repórter, jornalista, promoter e, claro, escritora nas horas vagas. Continua a sonhar com o dia em que integralmente será a responsável pelo nascer de novas mentes em novos universos.



Gostaram? Me conta aqui nos comentários.
Beijos!

5 comentários:

  1. Oi, Aline.

    Diante de mais uma entrevista, foi bom conhecer um pouco mais sobre mais uma autora, e saber como o amor pela escrita surgiu e se abrangeu.

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde ALINE!
    Acho tão legal quando vocês postam entrevista com autores nacionais,assim podemos conhecer mais os futuros Best Seller do Brasil. Eu não conhecia essa autora, agora vou correr atrás das história dela para conhecer e ler também. 😊

    ResponderExcluir
  3. Aline de Deus, vi aqui que a autor entrevistada deu luz a 17 obras não publicadas, como assim? Bota isso na publicação mulher num guarda não. Adoro saber um pouco mais sobre nossos autores nacionais e ficar mais próxima deles, a entrevista aproxima e cativa!

    ResponderExcluir
  4. Adorei conhecer mais sobre a autora até dei uma procurada nos livros dela e fiquei bem impressionada com eles para ser exata e 17 obras sério mesmo que ela já escreveu tudo isso

    ResponderExcluir
  5. Adorei a entrevista cedida por Fábio né Zambelli,gostei da forma como ela descreveu seus personagens e pelo que pareceu,seria quase impossível ela eleger apenas um Como o seu predileto,afinal parecia ter um apreço por cada um.
    Também gostei bastante como ela desenvolveu seu gosto pela leitura e a escrita. E é unânime,a primeira infância é fundamental nesse despertar pra leitura.
    Assim como ela,sou eclética e sé fosse escritora escreveria um lvirou de cada gênero.rsrs...

    ResponderExcluir