ENTREVISTA COM AUTORES #66 | AUTOR CRÍSTHOPHEM NÓBREGA

by - terça-feira, dezembro 10, 2019


1 - Como você percebeu que queria ser escritor(a)? Fale um pouco do seu livro.
Os livros sempre foram companheiros, desde antes de surgir em mim a ideia de escrever, lembro a alegria sem tamanho quando consegui ler um livro inteiro sobre contos do folclore brasileiro. Mas só foi por volta dos onze anos que a necessidade de escrever começou a superar a timidez. Inicialmente foram poemas, depois passando para contos, porém, foi durante uma fase complicada em minha vida, na qual escrevia como forma de lidar com os “demônios internos” que me tornar um escritor virou uma certeza. O livro “Os Cinco Pilares” surgiu primeiro em uma mesa de RPG, eu criei a base da história para jogar com amigos e todos gostaram bastante, como o gênero de fantasia sempre foi o meu favorito, pensei em desenvolver em livro, mas a história foi crescendo e percebei que estava diante do nascimento de uma saga. Como primeiro livro da Saga Por trás do véu - Os Cinco Pilares - apresenta ao leitor a Ordem dos Porteiros, as criaturas mágicas existentes entre os humanos e habitantes dos outros mundos, encobertos pelo véu mágico. Existem criaturas “clássicas” como , magos, vampiros, lobisomens, fadas; todos descritos sob minha ótica e vivência pessoal de RPG, além de novas raças e outros seres. Quem gosta de aventuras épicas, com muita ação, pitadas de terror, suspense e tramas políticas, vai apreciar a leitura.

2 - Qual seu personagem favorito - no geral ou dos seus livros -?
Um personagem que acho muito bem construído e que tem uma história bem interessante é o Kvothe da Saga A crônica do Matador de Rei do Patrick Rothfuss (se não leu, ta ai uma recomendação, depois de Os Cinco Pilares, ok?) a forma como a magia é descrita é incrível, isso entre outros fatores, fez deste um dos meus livros favoritos. Dentro dos meus personagens, gosto muito de Eve, uma maga do fogo que tem uma personalidade explosiva, coração puro e boca suja (risos) ela foi uma personagem que criei ainda quando joguei RPG com os amigos e a trouxe para o livro, por isto tenho um carinho especial por ela. Mas existem ainda dois personagens que me orgulho muito de ter criado e na minha opinião consegui acrescentar várias camadas de personalidade, foi o Zenith e a Thanatos.

3 - Como está sendo para você entrar no mundo literário?
Como já disse, no começo escrevia poemas e contos, neste segmento senti uma maior facilidade de inserção no mercado, no que se refere a antologias. Porém só agora estou diante do desafio gostoso que é lançar um livro solo e tenho me sentido muito bem recebido e apoiado na Editora Skull. Com o intuito de promover o livro criei uma página (me segue lá, hein) e tenho que acrescentar que é bem interessante essa forma de relação com o público.

4 - Você faz muitas pesquisas antes de escrever uma história?
Pesquisa vem antes, durante e as vezes até depois do processo de escrita, ao menos para minha pessoa. Personagens, cores, simbolismo, aspectos arquitetónicos e toda uma infinidade de detalhes, nascem da criatividade e inspiração, mas são polidos através do trabalho de pesquisa. No que se refere a tipologia mágica, por exemplo, as ervas, os rituais, tudo aquilo que cito nas passagens do livro, vem após uma boa conferida sobre corretas correspondências.

5 - Fale um pouco sobre sua forma de criação... Possui alguma mania na hora de escrever?
Cheguei a fazer um post na pagina de Os Cinco Pilares, sobre como ocorre o processo de desenvolvimento criativo, mas de forma geral as coisas do livro são feitas em duas vertentes; ou advém em forma de “estalo” na mente (inspiração) ou após extensa pesquisa. Tenho a mania de desenvolver uma atmosfera por assim dizer, normalmente acendo um incenso, faço café e procuro uma das playlist previamente criadas, cada personagem tem uma. Exemplo, vou escrever sobre uma cena de ação envolvendo a Eve, com toda certeza colocarei para tocar Immigrant Song - Led Zeppelin. Algumas vezes também faço uso de um recurso que chamo de “imersão”, colocando um fundo musical relacionado com a cena, exemplo, é um dia chuvoso, ponho um áudio de tempestade, isso me facilita bastante.

6 - Quais são seus projetos para um futuro próximo?
Eu tenho dois outros projetos em mente, ambos no gênero fantasia; um envolvendo magia e brasilidade e outro com uma pegada mais de contos de terror. Mas não posso negar que ultimamente venho acalentando a ideia de quando terminar a Saga Por trás do véu, lançar algumas “expansões” do universo dela, por assim dizer.

Gostaria de deixar algum recado para os leitores do Lost Words, e para seus futuros leitores?
Oi gente, tudo bom? Ficou curioso sobre a Saga Por trás do véu - Os Cinco Pilares? Me segue lá no Instagram, estou sempre postando coisas sobre o universo e personagens, tem acontecido uma interação bem legal e é claro que quem acompanhar a página vai ter acesso a algumas coisas que não estão no livro, ou estão nas entrelinhas. O livro tem previsão de lançamento para segunda quinzena de Maio 2020 e é muito bom (risos), lembrem-se “ A vida mais do que por água e comida é sustentada pela magia”.

Sobre o Autor:


Crísthophem Nóbrega - nasceu na cidade de Bananeiras, no interior paraibano, atualmente mora na capital do estado com o irmão e suas duas gatas; Frida e Nanã. Amante dos livros desde a infância, vivência a escrita como forma de se relacionar com a vida e os sentimentos. Em 2012 conquistou o segundo lugar em um concurso na sua cidade natal. Em 2013 recebeu premiações com o poema “Meu coração” no Rima Rara Novos Poetas. Nos anos de 2015 e 2016 participou de duas edições do Panorama da Literatura Brasileira, lançado pela Editora Pimenta Malagueta. Em 2018 participou da Terceira Antologia de Poesia Brasileira Contemporânea, lançado pelo Grupo Editorial Chiado. Em 2019 contribuiu com um poema na Antologia Novos Poetas, pela Editora Vivara e participou da coletânea “ Ninguém entende o que derramo em versos” pela Editora Meraki Publisher.


Beijos!

Você também pode gostar desses posts:

0 comentários